Blog da Leardi

Fim do home office? Aluguel comercial tem maior alta mensal em nove anos

  • 29/05/2024

O aluguel comercial alcançou a maior alta mensal em nove anos, subindo 1,11% para R$ 43,57 por metro quadrado (m²) em abril. A estimativa é do Índice FipeZap, que estima mensalmente a variação dos preços em salas e conjuntos comerciais de até 200 m², sediados em 10 cidades selecionadas (veja metodologia abaixo).


A maior alta do aluguel comercial até então havia sido em novembro de 2013, quando o indicador subiu 1,26%. A alta de mais de 1% em abril também representou uma aceleração do ritmo: em março, a elevação havia sido de apenas 0,63%.


Ao avaliar a variação do indicador em 12 meses, que é o tempo mínimo de um contrato de locação comercial, o índice mostra uma alta de 7,69% no aluguel de imóveis comerciais. Esse avanço vem sendo registrado desde agosto de 2021, e, segundo o FipeZAP, veio na esteira da retomada econômica após o período mais grave da pandemia de covid-19.


Com o fim da quarentena, o trabalho híbrido e o presencial voltaram ao radar dos empregadores, impulsionando a retomada dos aluguéis comerciais. Ainda é cedo, no entanto, para cravar que o home office está com os dias contados.


“É cedo para dizer que o trabalho híbrido e o home office estão perdendo espaço [para o presencial]. Ainda assim, o retorno de muitos colaboradores para o escritório – mesmo que apenas em alguns dias na semana – tem impacto no aquecimento do mercado comercial”, avalia Paula Reis, economista do DataZAP.


Os movimentos econômicos costumam impactar primeiro o mercado de locação, mas houve aumento também em vendas de imóveis comerciais – embora não na mesma proporção do salto dos aluguéis. O preço das vendas valorizou 0,24% em abril, acima da elevação de 0,02% em março. Foi a maior alta nos preços de venda em seis anos – em janeiro de 2018, o indicador registrou um avanço de 0,55%.


Quais são as cidades com maior alta no preço dos aluguéis de imóveis comerciais?

As maiores altas de preço nos imóveis comerciais vieram de duas cidades do Rio de Janeiro: a capital fluminense, com avanço de 2,68%, e Niterói, com alta de 1,56%. Os dados das duas cidades, inclusive, puxaram para cima a média nacional.


“Com o aumento do dinamismo no mercado de trabalho no Rio de Janeiro, há também maior demanda por aluguéis comerciais e, devido à demora na adaptação da oferta e às restrições de espaço para a construção de novos empreendimentos, o que resulta em um forte aumento de preços”, afirmou Reis.


Outro ponto relevante para o comércio fluminense seria a recuperação do setor de turismo desde a pandemia. “O estado do Rio de Janeiro, de modo geral, seguiu a tendência de crescimento do volume de serviços de turismo do Brasil e, entre agosto de 2023 e março de 2024, cresceu acima da taxa brasileira.”


Já em preços, a média fica em R$ 43,57/m². Os maiores aluguéis por metro quadrado são:


São Paulo: R$ 51,91/m²

Florianópolis: R$ 45,19/m²

Rio de Janeiro: R$ 43,16/m²


Quais são as cidades com maior alta no preço das vendas de imóveis comerciais?

Em vendas, as maiores altas no índice ficaram com as cidades de Salvador (+0,76%); Rio de Janeiro (+0,75%); Curitiba (+0,74%). Em preços, a média fica em R$ 8,4 mil/m². As cidades com maiores preços de venda por metro quadrado em abril foram:


São Paulo: R$ 10,04 mil/m²

Rio de Janeiro: R$ 8,83 mil/m²

Florianópolis: R$ 8,22 mil/m²


Metodologia do Índice FipeZAP

O Índice FipeZAP é um índice de preço que acompanha os preços de imóveis residenciais e comerciais – foi o primeiro indicador nacional lançado para este acompanhamento.


O índice é calculado pela Fipe com base em informações de anúncios de imóveis para venda e locação veiculados nos portais ZAP (VivaReal e Zap Imóveis).


No caso dos índices do segmento residencial, o cálculo envolve amostras de anúncios de apartamentos prontos em até 50 cidades selecionadas. Já no caso dos índices do segmento comercial, os anúncios utilizados se referem a salas e conjuntos comerciais de até 200 m², sediados em 10 cidades selecionadas.


Os preços considerados se referem a anúncios para novos aluguéis. O Índice não incorpora em seu cálculo a correção dos aluguéis vigentes, cujos valores são reajustados periodicamente de acordo com cada contrato


Fonte: exame.com



Posts Relacionados

#

5 hábitos de um corretor de sucesso

Está definido na lei 6.530. Apenas os corretores de imóveis com registro no Conselho Regional de Corretores de Imóveis (Creci) podem intermediar compra, venda ou locação de um imóvel. Portant

#

3 sinais de que franquia imobiliária é para você

O modelo de franquias já está mais do que consolidado no Brasil. É só olhar ao seu redor para ver os mais diferentes exemplos - de restaurantes e lanchonetes a lojas de presentes e roupas. Já

Quer receber novas ofertas?

Cadastre-se e receba novos imóveis direto na sua caixa de e-mail